Lançado neste segundo semestre e fechando (ou talvez não) a trilogia iniciada no reboot de 2013, “Shadow of The Tomb Raider” traz novamente exploração e ação com a Lara Croft, famosa aventureira que ajudou a popularizar os jogos na década de 90 e que recebeu uma nova roupagem nos últimos anos com um reboot que mudou diversos aspectos da jogabilidade. Depois do primeiro jogo, a Square-Enix lançou o “Rise of The Tomb Raider” e agora o “Shadow”, pra fechar a trilogia. O jogo foi lançado nos consoles e PC e dividiu opiniões, com alguns amando o jogo e outros não curtindo tanto.

Tive acesso ao game pelo PC e até que é razoável, mas só é recomendado de você comprar o game em alguma promoção por conta de sua curta duração. O título tem defeitos e qualidades, que comento mais na análise a seguir.

Ficha Técnica
Produção Square-Enix
Desenvolvimento Eidos Montreal
Lançamento 14/09/2018
Plataformas PlayStation 4, PC, Xbox One
Classificação 16 anos (Brasil)
Gênero Ação/Aventura
Descrição Novo jogo da famosa franquia protagonizada pela Lara Croft, com a personagem em busca de um artefato com ligações com o seu pai, e ela acaba iniciando um apocalipse. Com isso ela tem de impedir a destruição do mundo partindo para localizar um antiga cidade antiga e assim ter respostas para impedir o apocalipse.
Online Não.
Idiomas Português (Legendas, Descrições e Nomes de itens/Menus).
Configurações do PC GPU: GeForce GTX 1080
CPU: Intel(R) Core(TM) i7-4770K CPU @ 3.50GHz
Memória: 8 GB RAM (7.91 GB RAM utilizável)
Resolução atual: 1920 x 1080, 60Hz
Progressão 12 horas de progressão e campanha completada. Locais extras e tumbas não foram exploradas em sua totalidade

 

Shadow of The Tomb Raider - Lara Croft vendo nova localidade

Terceiro jogo da franquia, o enredo do game traz uma premissa que até então considerei radical: a Lara estava atrás de um artefato poderoso que tinha ligações com o pai, e ao remover ele de um local sagrado ela simplesmente iniciou o apocalipse, devastando sem querer uma vila inteira e forçando-a a ter de resolver o problema e salvar o mundo ao buscar uma cidade perdida, onde pretende encontrar respostas sobre o artefato em questão. Ela acaba visitando diversas locações com a ajuda de um amigo, resolvendo puzzles e enfrentando inimigos diversos.

Quanto ao visual, o jogo é um dos mais impressionantes que eu já vi. No PC, por estar com uma GeForce 1080, acho que ele perde apenas pro Battlefield V de jogo mais bonito que tive acesso este ano. O visual é de cair o queixo e o jogo roda com fluidez, sem ter quedas de framerate que atrapalhem a progressão. Efeitos de terra, água e, principalmente, as florestas e mata fechada, são de impressionar.

Shadow of The Tomb Raider - Jogo rodando na Geforce GTX 1080 - 01

Só a Lara não teve o mesmo tratamento na parte gráfica e a personagem fica meio estranha, apesar dos efeitos aplicados quando a personagem acaba ficando suja de lama.

O jogo também recebeu localização total em português e a dublagem é ótima, trazendo novamente a Fernanda Bullara dublando a Lara Croft.

Da parte de jogabilidade, o game acaba sendo mais linear que os anteriores na progressão de história e o sistema de habilidades (que ela vai adquirindo pontos, destravando novos recursos) acaba sendo meio inútil, por conta do jogo focar muito (mas muito mesmo) em furtividade, não necessitando de nenhuma habilidade avançada que ela destrave durante a aventura, ainda mais se você escolheu a dificuldade normal. Você pode escolher entre confrontar diretamente os inimigos com as suas armas, ou apelar pra furtividade e eliminar os inimigos 1 a 1, evitando que os outros descubram.

Shadow of the Tomb Raider - Furtividade - PC Screenshot na GeForce 1080

Ela pode cobrir todo o corpo de lama pra ajudar e se esconder na parede, e caso você tenha timing pode se dar bem e passar rapidamente pelas localidades que tenham uma boa quantidade de inimigos. Entretanto, com confronto direto a jogabilidade não é tão fluída e ela falha algumas vezes, apesar das diversas opções de armas. Dependendo do ponto do jogo, fica frustrante enfrentar certos inimigos e você acaba falhando ou deixando ela morrer pra recomeçar de maneira furtiva. O sistema de combates não é interessante, diferente de jogos como a franquia Uncharted.

Um ponto a comentar, completamente opcional e sem incentivos pra fazer, são as tumbas secretas. Algumas você até meio que faz elas se estiverem perto de onde você está, mas não há incentivo algum em parar a progressão para vasculhar uma tumba extra, mesmo atrás de algum ponto de habilidade. Pelo menos quando você explora acaba tendo um pouco aquele feeling/sensação dos jogos anteriores, onde ela explorava bastante as localidades, mas nos jogos clássicos fazia parte da progressão. Aqui não, e apenas alguns poucos pontos que você tinha aquela sensação de “nossa, que local daora que eu cheguei”.

Shadow of The Tomb Raider - Jogo rodando na Geforce GTX 1080 - 02

O problema é que, por conta da história e da frustração nos confrontos, acabei ficando com mais vontade de querer completar o jogo rapidamente e partir para outro game, do que explorar muitos locais extras atrás de segredos (ainda mais nessa época de final de ano cheio de jogos pra você jogar).

Além disso, as roupas extras, que foram bem comentadas na época do lançamento (como os uniformes clássicos) também foram muito mal executadas. Você pode até usar um traje completo que concede habilidades especiais ou criar peças separadas de roupas, mas a escolha acaba ficando muito mais cosmética, OU apenas optando pela roupa que dá mais furtividade. Como não tinha muito ânimo pra sair explorando outras tumbas ou caçando mais animais, as outras roupas não tinham uso, e os trajes clássicos nem sempre dava pra usar durante a progressão do game, mais por conta da história exigir um traje específico. Aí o traje ficava travado pra uso.

Shadow of The Tomb Raider - Roupa do Angel of Darkness

Shadow of The Tomb Raider é um game razoável e para quem curte a franquia é até interessante pegar e ter mais aventuras com a Lara Croft, mas o enredo esquisito não ajuda muito a incentivar o jogador a comprar o game pelo preço cheio, ainda mais quando tem concorrentes como o “Red Dead Redemption 2” e “Assassin’s Creed: Odyssey” disponíveis (e que são bem mais interessantes), ou até mesmo o Battlefield V caso você curta jogos de tiro. O jogo da Square-Enix está recebendo promoções com uma certa frequência e você pode optar por esperar pra comprar o game com um preço mais camarada, mas não alimente expectativas demais. A duração da campanha fica em torno de 10 a 12 horas, com mais horas de jogo caso você queira completar 100% do game.

Shadow of The Tomb Raider - Jogo rodando na Geforce GTX 1080 - 06

Shadow of The Tomb Raider - Jogo rodando na Geforce GTX 1080 - 05 Shadow of The Tomb Raider - Jogo rodando na Geforce GTX 1080 - 03