Depois de passar mais de 40 minutos na fila, tive a oportunidade de testar o grande Wii U. Mais precisamente jogar The Wonderful 101 e Rayman Legends.

The Wonderful 101, antes conhecido como Projeto P-100, é o jogo exclusivo da Platinum Games para o novo console da Nintendo. Você controla um herói onde o objetivo é limpar a cidade da típica infestação de robôs, algo bem comum no japão. Para isso você pode transformar seus parceiros em uma arma gigante verde, uma espada gigante azul ou um grande mão vermelha.



Cada golpe especial, para ser executado, é necessário desenhar no controle/tablet do Wii U e apertar o botão A. Os golpes consumem bateria, podendo ser carregado dando golpes cooperativos ou coletando pela fase.

Além de golpes, também é possível usar seus amigos para passar de certos obstáculos. Tive que transformar-los na mão gigante para girar uma alavanca para entrar em um armazém. Entrando lá a câmera muda de perspectiva e você visualiza todo pela tablet, sendo um pouco complicado controlar o personagem.

Não é muito agradável ficar sem saber o que está fazendo, as vezes eu não sabia em quem eu estava batendo. E como minha coordenação motora não uma das melhores, ficava difícil desenhar na tablet e prestar atenção no jogo.

Ele tem seu charme e por usufruir do da tablet do Wii U, parece um ótimo jogo.

Outro jogo que joguei foi Rayman Legends.

Se Rayman Origins é incrível imagine Rayman Legends. O visual melhorou bastante com gráficos em 2.5D. O carisma dos personagens e o cenário magnifico ainda permanece.

O modo cooperativo era o único disponível, mas não se preocupem, o jogo terá modo single player aparentemente diferente do modo de dois jogadores.

O diferencial com dois jogadores é a intensa cooperação. A jogabilidade parece a mesma, mas em certas é preciso virar o tablet para levantar plataformas e tocar na tela para conceder passagem para o outro jogador. Isso quando jogado no single player perde o sentido, já que você recebe ajuda do computador.

Certas partes é preciso virar o tablet e levantar plataformas tocando na tela para conceder passagem para o outro jogador. Isso quando jogado no single player perde o sentido, já que você recebe ajuda do computador.

Como foi visto em Origins, os controles estão extremamente precisos e é muito prazeroso jogar, mesmo com a tablet que por sinal é surrealmente leve e encaixa perfeitamente na mão.

Talvez seja daqueles jogos que eu cogitaria comprar um Wii U. E não é preciso de um amigo, já que existe um modo singleplayer que parece ser diferente do cooperativo.

Mesmo assim, é muito gostoso jogar Rayman Legends, seja controlando o protagonista ou dando suporte a ele.