Resogun PS4

Durante a Brasil Game Show 2013, a Sony promoveu em seu stand apresentações às portas fechadas de diversos jogos para PlayStation 4, como inFAMOUS: Second Son, Mad Max e o Resogun. Estive presente na apresentação deste último, e fiquei bem impressionado com o jogo. Um detalhe bem legal é que durante a apresentação, quase todos os presentes na sala conseguiram jogar, onde o jogador continuava jogando até acabar as “vidas”, e num jogo de navinha, era bem fácil isso acontecer e passar a vez para o próximo jogador.

Resogun é o novo game para PS4 criado pela Housemarque, a mesma empresa da série Super Stardust, com games para PlayStation 3 e PlayStation Vita. Resogun tem praticamente o mesmo DNA, com a adição de novas mecânicas e o uso da “gravidade”, pois nos anteriores o jogador controlava a nave espacial em órbita, enfrentando inimigos. Em Resogun, temos a mesma esfera, mas que vai mais para a vertente dos “cilindros”, com a adição da gravidade e a eliminação dos “tiros em 360 graus” característicos da série Super Stardust.



Resogun PS4

Durante a exibição e os testes dos jogadores na BGS, um elemento importante que eles comentaram são os Voxels, um tipo de polígono tridimensional que, segundo uma matéria do Arena, “se desfazem quando atingidos pelo impacto de explosões”. O game estava com a versão completa na BGS 2013, rodando direto em um console PlayStation 4 que também estava em exibição para o público na sala (pois nas outras estandes da feira o console não era visível nas estações de testes, e provavelmente tinha o jogo do PS4 com um devkit baseado em PC). Temos o melhor uso até aqui das partículas, um dos elementos constantes da próxima geração e que será bastante usado no PS4 e no Xbox One (principalmente no novo Killer Instinct).

Após a apresentação dos “voxels”, o representante da Sony jogou um pouco e começou a passar o controle para cada um na sala, alternando as fases. Um detalhe que tentei reparar é nas mudanças do cenário ao fundo dependendo da fase, e a quantidade enorme de inimigos que aparecem na tela. Quando os jogadores foram jogando, eles usaram diversos poderes, desde os tiros normais, um tiro “mais carregado” (que deixa a tela em câmera lenta) e “bombas de pulso eletromagnético”, explodindo os inimigos ao redor. Também teve uma batalha contra uma provável chefe, uma espécie de roda gigante com espaços entre as suas estruturas e locais específicos para destruir, e o jogador conseguiu manobrar a nave entre eles de maneira exemplar e precisa.

Resogun PS4

Quando foi a minha vez de jogar, já estava meio ciente da jogabilidade, que também é próxima da série Sper Stardust: os tiros são disparados com o direcional analógico da direta (mas não tem mais os “tiros em 360 graus, atirando apenas pra esquerda ou direita”, e conseguia me movimentar para um dos lados e atirar para o outro lado. Por ser “cilíndrico” não tem mais o lance de ir pra cima e pra baixo como no Super Stardust, podendo apenas “ir pra cima e pra baixo” de maneira tradicional, até o topo da tela ou até o chão. Dos inimigos, temos inimigos voadores, alguns canhões no chão e também percebi que tem multiplicadores de pontos. Power Ups também ficam presentes, onde é inserido no topo da tela um feixe de luz verde que vai até o chão, e ao passar por ele o jogador ganha a adição, como um shield e até mesmo uma “vida extra”. Mas acho que no caso da vida extra o power up ficou flutuando na tela de maneira tradicional.

Em outros momentos o jogador pode resgatar humanos e arremessar eles. Eu não entendi muito bem essa mecânica e ele não foi muito demonstrada na BGS. Citando o Arena:

Ao olhar a lista de comandos de Resogun, um dos botões é descrito como “arremessar humano”. No decorrer das fases, humanos aparecerão e inimigos tentarão abduzi-los. Caso consigamos salvá-los somos recompensados com um power-up , como escudos, armas melhores, mais bombas e coisas do tipo. No entanto, de acordo com o que foi explicado pela pessoa que ajudava a demonstrar o jogo, em alguns momentos seremos atacados por oponentes que irão nos seguir sem cessar, e arremessar o humano que estamos carregando fará com que eles ataquem a ele e não a nós. Eu não pude presenciar ou executar isso por conta própria, mas achei que o fato de existir um botão com o único propósito de “arremessar humano” valia uma menção.

De todos os jogos da próxima geração demonstrados na BGS, Resogun é um dos mais impressionantes, principalmente com o visual mais psicodélico e os efeitos de partículas com os voxels. Com os inimigos bem coloridos (e cenários mais escuros) eles se sobressaem na tela, tendo muitos “efeitos de neon” e iluminação. Esse jogo deveria estar em estandes separadas da BGS, junto com o Knack e o Killzone: Shadow Fall, e certamente jogaria bastante esse no dia de imprensa (quando não tinha muita gente nas filas).

Resogun PlayStation 4

Conversando com o representante da Sony que mostrou o jogo, perguntei sobre o 3D estereoscópico, o assunto que morreu de uns anos pra cá nos consoles PlayStation. Pelo Super Stardust ter feito um uso impressionante do recurso, o Resogun com seus efeitos de partículas poderia ser ainda mais impressionante. Ele comentou que no momento não tem planos para fazer esse tipo de recurso, pois, como o game está rodando a 60 frames por segundo, para fazer o 3D estereoscópico teria de ter 120 frames, para ter as 2 telas sobrepostas e passar de maneira diferente pra cada olho com os óculos especiais. “Mas o PS4 não teria poder pra isso?” Pelo que entendi, seria um desafio tecnológico bem complicado pra eles, e pode ser que o PS4 não faça uso do recurso do 3D justamente por conta dos frames, pois aí teria de cortar os frames por segundo pela metade (o que diminuiria bastante o impacto da parte gráfica”.

E até mesmo hoje ter qualidade FullHD com recursos gráficos bem potentes é necessário de um PC bem potente para ter resoluções acima de 1920×1080 e mais de 100 frames por segundo e preservando toda a parte gráfica. Pode ser que até mesmo a próxima geração não consiga fazer isso satisfatoriamente. Ou a Sony nem pretende focar recursos mais nesse ponto, indo mais para a direção das TVs com mais definição e as 4K, que devem começar a baixar de preço nos próximos anos e pode ser que o PlayStation 5 tenha jogos com resoluções de 4k (3840 × 2160 pixels (8,3 megapixels)).

Por fim, acabei não perguntando se poderia ter filmado ou fotografado o jogo antes da apresentação, mas como vi alguns espectadores tirando algumas fotos, tirei 2 delas de maneira mais tímida no fundo da sala, e estão abaixo. Resogun é exclusivo para PlayStation 4 e será lançado no “Dia 01” do lançamento do console, no dia 15 de novembro nos EUA e no dia 29 de novembro aqui no Brasil. Esse iria curtir que saísse também para PS3, mas acho que não teríamos a mesma qualidade gráfica da versão para o PS4, que está sensacional. Resogun se tornou um game obrigatório quando for adquirir o console nos próximos anos!

Resogun PlayStation 4

Resogun PS4