Comentando sobre o Cyberpunk, o novo game dos criadores de ‘The Witcher’



Antes da E3 2012 a CD Projekt RED, desenvolvedora da série “The Witcher”, anunciou o Cyberpunk, game baseado no Cyberpunk 2020, famoso jogo de RPG de mesa com temática futurista. O RPG foi criado por Mike Pondsmith em 1990, sendo ambientado nos EUA em 2020, onde tivemos um colapso econômico seguido de um período de lei marcial. Segundo a Wikipédia, “diversas megacorporações (multinacionais) assumem o poder político e econômico do pais. Surge um cenário de contrastes: com alta tecnologia, beleza, pobreza, opressão…”. Também é possível implantar partes cibernéticas no corpo, e, segundo a CD Projekt, o game terá um mundo ricamente detalhado, “não linear e com uma história complexa e, ao mesmo tempo, emocionante.”

“Os jogadores vivenciarão o mundo da forma que quiserem, com personagens únicos escolhidos de diferentes classes, como mercenários sanguinolentos ou hackers com uma vasta gama de implantes cibernéticos e armas letais”

O termo Cyberpunk é um subgênero de ficção científica trazendo elementos de romances policiais, estilo noir e “Alta tecnologia e baixo nível de vida”. O termo surgiu primeiramente no livro Neuromancer, de William Gibson, e no livro o individuo cyberpunk “é uma espécie de ‘pichador virtual’ que se utiliza de seu conhecimento acima da média dos usuários para realizar protestos contra a sistemática vigente das grandes corporações, sob a forma de vandalismo com cunho depreciativo, a fim de infligir-lhes prejuízos sem, contudo, auferir qualquer ganho pessoal com tais atos”.

Das inspirações que a CD Projekt está usando para criar o game, eles citaram as obras de Gibson e o filme Blade Runner. Também tem o primeiro Ghost in The Shell, mangás e animes relacionados. Eles também podem estar se baseando no System Shock, game de tiro da década de 90 e que é ambientado num mundo cyberpunk em 2072, sendo uma das inspirações para o primeiro Deus Ex, outro game que os desenvolvedores estão usando como inspiração. Só uma curiosidade extra, a continuação System Shock 2 teve a participação de Ken Levine, hoje a mente por trás da série Bioshock.

Também teve informações quanto ao sistema do personagem, indo numa direção diferente da fantasia regular (magos, guerreiros, arqueiros), com o personagem tendo habilidades especiais que irão impactar os status do personagem de diferentes maneiras. Eles querem criar um game com a personalização de personagens seja ligada fortemente ao enredo. Eles acreditam que, com muitas opções diferentes de escolhas, que tenhamos uma história muito forte e envolvente, no mesmo molde que o “The Witcher”, além de dar mais liberdade de customização ao jogador, podendo mudar as estatísticas, equipamentos, implantes e outros.

O game ainda não tem nenhuma data de lançamento e nem plataformas, mas pode ser que saia primeiro para PCs. Até o momento temos apenas estas 2 imagens divulgadas.

[Com informações do UOL Jogos 1 e 2]