Para quem deseja desenvolver jogos 3D sem maiores complicações, o Unity 3D é uma boa escolha.

Ao contrário de ferramentas como o XNA, o Unity fornece um editor visual, o que facilita e muito a distribuição dos elementos dentro do jogo. Esse editor também possibilita configurar todos os objetos, inicializar valores de atributos e editar scripts. A ferramenta lembra outras engines de alto nível, como o 3D Game Studio, mas possui uma interface bem mais amigável e as linguagens de script oferecidas também são mais poderosas.

O Unity oferece componentes para trabalhar com física, partículas, audio, iluminação, redes, animações, terrenos, câmeras e muito mais. A lógica do jogo pode ser programada nas linguagens JavaScript, C# ou Boo (Python), e scripts escritos em uma linguagem interagem com scripts escritos em outra linguagem sem problemas.



Um grande diferencial ao meu ver é a importação de recursos para os jogos. O Unity é capaz de importar diretamente arquivos .blend, .max e .psd, por exemplo. Em alguns casos, pode ser necessário ter a ferramenta (como o 3D Studio Max) instalada, mas de qualquer forma há a possibilidade de importar formatos padrão, como .3ds ou .jpg.

Componentes criados no Unity também podem ser exportados e reutilizados em outros projetos, através do recurso de criação de prefabs, que cria um arquivo binário que passa a ser tratado pelo Unity como um outro recurso qualquer.

Até pouco tempo atrás o Unity estava disponível apenas para os sistema operacional MacOS, mas no mês passado uma versão do editor foi lançada para o Windows. O mais interessante é que, independente da plataforma usada para desenvolver, o Unity pode gerar executáveis tanto para Mac quanto para Windows. E ainda há a possibilidade de se criar jogos para a web, necessitando que o usuário instale um plugin no navegador para jogar. O Unity também permite desenvolver jogos para iPhone e Wii, mas nestes casos os custos de licenciamento  são diferentes.

Falando em custos, a versão Indie da ferramenta custa US$ 199,00, o que, diante das facilidades oferecidas pelo editor é uma pechincha. A versão Pro sai por US$ 1499,00, que também não é nenhuma fortuna se comparado aos preços da CryEngine e da Unreal Engine. Os preços e maiores detalhes estão aqui.

Na página do Unity estão listados diversos jogos feitos com ele. Nada muito conhecido, mas vale a olhada. Interessante notar que o jogo T-Racer, mostrado dentro do último Big Brother Brasil, foi feito com o Unity.

Jogo T-Racer utilizado em uma das provas do BBB9.

Abaixo estão alguns screenshots do editor e de outros jogos feitos com ele:

 Editor do Unity

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

Clique para ampliar.

Agora uma rápida opinião pessoal: eu estou trabalhando com o Unity faz cerca de uns dois meses e devo dizer que estou gostando bastante dos seus recursos. Prototipar um jogo é algo rápido e testar os jogos fica bem mais simples com a possibilidade de manipular os objetos em tempo de execução. Pra quem mexe com jogos, eu acho que vale ao menos tentar dar um olhada no Unity pra ver se agrada.

Apesar de ser uma ferramenta paga, há um trial do Unity disponível por 30 dias no site. Além da limitação de tempo, este trial não apresenta qualquer outra limitação em relação à versão Indie do editor. Para testar, basta fazer o download em: http://unity3d.com/unity/download.