Nights in the Woods


Em qualquer mídia, o que faz mais sucesso entre o público é, sem dúvidas, uma boa história. Ela é que move novelas, que são a principal fonte de audiência em muitas emissoras de TV; os animes japoneses; as séries de TV americanas e, porque não, os games.

Desde que a tecnologia foi evoluindo, houve cada vez mais possibilidades de dar ênfase na narrativa. Isso acaba tornando personagens famosos, com bordões engraçados, momentos que nos emocionam.

Talvez o público goste de uma boa história por acabar vivendo um pouco aqueles momentos de drama, ação e comédia. Pensando nisso, decidimos selecionar hoje cinco jogos que possuem uma boa história!



1 – Undertale

Desenvolvido quase que integralmente por Toby Fox, Undertale é um RPG que se diferencia pelo uso dos personagens que sempre possuem os dois lados: o bem e o mal, e você mesmo pode definir o destino de seu protagonista: rota do herói, neutra ou genocida. Suas atitudes influenciam em tudo que ocorrerá ao longo do game.

Chama a atenção especialmente os momentos finais da rota do herói, com um desfecho criativo, surpreendente e inteligente, porém com uma linguagem facilmente acessível a todos, passando bons valores morais sem ser cafona e careta.

Além disso, o jogo “brinca” o tempo todo com todos os conceitos que aprendemos ao longo de toda nossa vida em jogos de RPG japonês. Ás vezes, fugir é a melhor opção e conversar com os monstros bem malignos é a melhor atitude a ser tomada.

2 – The Walking Dead

Assim como a série de TV, os jogos da Telltale são divididos em diversas temporadas e em diversos capítulos. Sendo do gênero drama interativo, este é totalmente focado na narrativa e, na maior parte do tempo, o jogador terá de fazer escolhas em termos de história. Há momentos de interatividade como resolução de enigmas e algumas sequências de Quick Time Events, mas a grande ênfase é mesmo no enredo.

Cada um dos episódios contém cinco pontos onde o jogador deverá tomar alguma decisão importante e que mudará o destino do game. Graças aos servidores da Telltale, o jogo acompanha quantos jogadores escolheram a mesma opção para comparar as decisões.

The Walking Dead - Temporada Final - Imagem Wallpaper Full HD

Para muitos, o desfecho do último capítulo é um dos momentos mais emocionantes do mundo dos games.

3 – Life is Strange

Originário do estúdio francês Dontnod Entertainment e publicado pela Square-Enix, Life is Strange é um jogo de cinco episódios feito na Unreal Engine 3 que conta a história das duas amigas Max e Chloe.

Sendo uma aventura gráfica, jogada a partir de uma perspectiva em terceira pessoa, cada um dos episódios conta com diversos clímaxes, mudanças de perspectivas e um grande final que fica “nas mãos do jogador” que acaba sendo muito emocionante.

Além disso, o jogo é bastante imersivo e exploramos a cidade fictícia de Arcadia Bay, além de termos as habilitantes de voltar alguns minutos no tempo, o que te dá a possibilidade de desfazer uma ação já executada e mudar completamente o destino dos personagens.

 Sabe aquele momento que você joga um powerball online e, graças a essa habilidade, você pode acabar ganhando no jogo? Isso seria algo ótimo, não é? No entanto, às vezes o que parece “algo bom” em um primeiro momento, pode resultar em algo bem negativo a longo prazo.

Life is Strange - Imagem Screenshot

4 – Night in the Woods

Este é um jogo Adventure independente com elementos de plataforma com grande ênfase na narrativa. Se desenvolvendo em quatro capítulos, ele se diferencia de jogos comuns do gênero por abordar temas que vivemos em nosso cotidiano de modo não romantizado, como depressão e ansiedade.

Sendo profundo sem ser “careta”, ele é aquele típico jogo que funciona como uma espécie de “filme cult”, onde você acaba questionando valores, amigos e o seu próprio comportamento diante das pessoas. Acaba sendo bastante envolvente e tem algumas reviravoltas bem “chocantes”.

Impressiona que, mesmo com visíveis poucos recursos, a atmosfera e a estética acaba tornando a experiência imersiva e, com muita criatividade do desenvolvedor, ele conseguiu transmitir as emoções planejadas. Um excelente jogo, e uma excelente história.

5 – I Am Setsuna

Desenvolvido para ser uma homenagem aos antigos jogos de JRPG dos anos noventa como Chrono Trigger, o I Am Setsuna é um jogo cujo tema central é a tristeza. Contando uma história de modo profundo, “delicado” e cheio de detalhes, ele entra naqueles títulos em que o enredo é um pouco trágico, mas ao mesmo tempo muito bonito.

O game foi desenvolvido pela Tokyo RPG Factory, que é uma subdivisão da Square-Enix e o tema central é envolver algo triste, procurando envolver o que chama-se de “história de personagem”, onde sacrifícios, problemas existenciais e até mesmo decisões são necessárias. A trilha sonora foi composta por Tomoki Miyoshi, enquanto elas foram tocadas por Randy Kerber, que trabalhou em filmes famosos como Titanic e Forest Gump.

I am Setsuna - Imagem Screenshot

Apesar da boa história, o game foi criticado pelos mesmos problemas que assolavam os jogos de antigamente: inimigos aleatórios e combates que, muitas vezes, parecem desbalanceados. No caso de I Am Setsuna, o game pode parecer fácil demais. Ganhou um sucessor espiritual chamado Lost Sphear em maio de 2017.