Tal como tudo na vida, as séries tem um prazo de validade. Séries começam, ficam boas, entram em decadência (ou não) e algumas são canceladas. É um ciclo que se repete, onde o espectador tem de procurar outras séries para ocupar o seu tempo. Do final do ano passado até o começo deste ano tinha 3 séries que comecei a assistir: The Legend of The Seeker, Flash Forward e Human Target. A primeira é medieval e decente, mas que acabei parando de assistir por pura preguiça pra baixar os episódios. Flash Forward tem uma idéia realmente boa, mas a série foi pro mesmo caminho de Heroes: um drama chato e sem muita ação (pelo menos até onde eu vi). Já a Human Target (que será batizada de “O Defensor” aqui no Brasil em canais de TV paga) promete ter muita ação, e será esta a série que irei comentar aqui direto, comentando cada episódio.

A premissa é interessante. Cristopher Chance é uma espécie de guarda-costas que não apenas protege o cliente. O objetivo dele é ficar na linha de fogo, algumas vezes sendo o próprio cliente, para impedir que este cliente morra. Ele cria um disfarce na história, ficando sempre próximo ao cliente e evitando que algo de ruim aconteça.

Human Target

Além desse cara temos também 2 personagens principais: Winston, que é o chefe de Chance e que se preocupa com o cara, e Guerrero, um personagem único e singular, que é cínico, tem lábia e aparentemente é um ótimo persuador de pessoas, além de ser odiado pelo Winston. Na cena de apresentação de Guerrero, ele está investigando empréstimos bancários suspeitos de alguém para alguns diretores de um banco e quando ele está num bar chega dois brutamontes para intimidá-lo. Então ele os ameaça, já que ele, esperto, investigou também a vida dos caras. O patrão dos brutamontes tem informações sobre eles que ele achava que estava em segurança, mas Guerrero também as acessou para saber quem poderia ir atrás dele.



Mas o melhor do episódio mesmo são as missões do Chance. Na primeira ele fica no lugar de um dono de uma empresa. Um ex-funcionário insatisfeito mantém refém todos os funcionários presentes com o objetivo de matar o patrão, acorrentando o mesmo, mas acaba acorrentando o Chance, que sai da cadeira e começa a conversar com o cara, o desarma (o ex-funcionário tinha uma espingarda) e depois atira nele, mas como o cara estava com esplosivos junto ao corpo e com um detonador na mão, ocorre uma explosão. Chance, obviamente, escapa.

A segunda missão é a principal do episódio: uma projetista de trem quase sofre um atentado e acha que a vida dela está em risco, e que o atentado poderia acontecer na viagem inaugural de um trem-bala nos EUA. Chance então fica como intérprete e próximo a ela, protegendo-a contra um suposto assassino.

Human Target

O bom da série é que ela tem ação do início ao fim, tendo alguns momentos de calmaria mas ainda assim legais. Por exemplo quando eles analisam as ligações da moça e tem de recorrer ao Guerrero, que é especialista em “assuntos corporativos” e que tem seus contatos para descobrir mais informações. Tal como ele diz: as empresas são péssimas em apagar pessoas, sempre deixando rastros. Já os momentos de ação, neste primeiro episódio tem as lutas corporais entre o Chance e o cara que queria matar a moça, onde uma delas ocorre dentro de um tubo de ventilação.

A série promete e segundo o Teleséries teve um pico de audiência nos EUA, onde no episódio desta semana (exibido em 31 de março) teve 8 milhões de espectadores. Pelo que andei lendo nos sites onde estou caçando os episódios pra download, a primeira temporada tem 13 episódios, mas a Fox poderá renovar a série. Esperemos que isto aconteça e que a série não deixe a peteca cair e fique como as séries Heroes e Flash Forward. Heroes está ruim e Flash Forward está no mesmo caminho.

Human Target também estreará aqui no Brasil no canal da Warner em 5 de abril. Se você não gosta de baixar séries e/ou não tem conexão de internet potente, poderá assistir na TV, caso tenha TV a cabo e tenha acesso a este canal. No meu caso continuarei com os downloads, já que, diferente do que a maioria das pessoas acham, não é crime baixar séries para consumo próprio.

Pra terminar, tem mais episódios já exibidos e devo publicar impressões dos próximos quando eu for assistindo. Espero também não vacilar e conseguir voltar à ativa por aqui, mesmo com poucos posts sérios por semana.