Criado em 2009, League of Legends veio do nada como apenas mais um jogo parecido com DotA  e agora é o jogo mais jogado do mundo. Essa conquista deu forças para a Riot Games espalhar o LoL pelo mundo e localizar-lo para vários países, inclusive o Brasil.

O período de beta testing  fechado da versão brasileira de League of Legends, chegou ao fim no domingo passado (22) e existem algumas considerações a serem feitas. A própria Riot Games já deixou claro que não iria apenas traduzir e entregar um trabalho mais ou menos na mão do jogador, iria localizar tudo assim como a Blizzard fez com World of Warcraft.



A dublagem é um exemplo disso. Algumas piadas foram localizadas para o jogador brasileiro entender e fazer algum sentido, as vozes encaixam com os comandos do jogador e encaixam também com os personagens. Destaque também para o alto escalão de dubladores, você consegue reconhecer alguns como o Billy de “As terríveis aventuras de Billy e Mandy”, o esqueleto do He-Man, Eu Sou o Máximo e Macaco Louco.

Da dublagem não tem o que reclamar. O problema é a tradução dos itens, runas e masteries. Está tudo muito correto, na verdade não é bem um problema mas se formos analisar, traduzir ‘Flash’ como ‘Lampejo’ é algo desnecessário. Não estou dizendo que está errado, a tradução está muito literal e nem todos os jogadores de League of Legends são formados em letras e usar esses termos em português arcaico do século XVIII não funciona muito bem.

Agora, isso não é algo catastrófico e esse closed beta pode servir para consertar os pontos que destaquei. Existe algo que confirmei nessas duas semanas de teste, um ponto definirá a minha migração para os servidores brasileiro: Como o tipico jogador brasileiro é um tumor impossível de curar.

Lembro muito de bem de um texto redigido pelo Fábio Bracht no falecido seu falecido blog, Continue. Era uma carta de ódio a todos os jogadores ‘HUEHUE BRBR’ que tinham e ainda tem, um espirito de porco. Quem se aventura em jogos online como DotA, Counter Strike, World of Warcraft, Ragnarok e similares sabe muito bem a fama do Brasil. E ela não é muito boa.

Não estou dizendo que todos jogadores são assim descerebrados, eu jogo League of Legends com vários brasileiros e eles sabem se comportar. Jogadores BRBR são mal educados e não sabem se comportar como pessoas civilizadas no chat que primeiramente era para ser uma ferramenta de armar estratégias e ajudar os companheiros, não xingar tudo e todos sem nenhum motivo e não tentar entender por que o time está perdendo.  Além da celebre frase ‘gibi moni plis’ também conhecido do português ‘me dá um dinheiro aí’.

Alguns deles nem conversam no chat. Antes da partida começar ninguém decide o seu papel no time, recusam a conversa e ignoram o chato. Algo que você não deve fazer quando está jogando League of Legends. Isso sem falar daqueles que floodam o chat com besteiras, xingamentos, papos sem noção e ainda ficam com raiva quando reclamam de suas jogadas ruins. Eles sabem que estão errado mas mesmo assim ficam insistindo na encheção de saco.

E sim, esses jogadores todos unidos em único servidor não pode ser algo bacana. Por isso penso e repenso sobre a migração de minha conta para os servidores brasileiros.







Apoie o Select Game pela tag da Epic Store


Se você curte o Fortnite, gostou deste artigo e/ou usa a Epic Store, apoie a gente, para continuarmos com o nosso trabalho! Use a tag RODRIGOFGLIMA dentro do Fortnite ou na loja da Epic Store.

Apoie um criador Select Game