Por favor, fique longe de Resident Evil: Operation Raccoon City



A famosa série de Survival Horror, Resident Evil, morreu com Code: Veronica, no máximo com RE Zero. Depois disso a Capcom resolveu jogar todos os papéis para cima e esquecer que a série era um survival horror e tomou uma abordagem mais frenética.

Não estou dizendo que Resident Evil 4 é ruim, é ótimo jogo de ação e não é mais Resident Evil. E como a Capcom não escuta os fãs de Leon Kennedy/Chris Redfield, ela vai continuar cuspindo na série e tacando ação desenfreada e agora chamou o pessoal do SOCOM para fazer um game.

Posso resumir Resident Evil: Operation Raccoon City em ‘O que é um peido para quem está cagado?’. Se Resident agora é pura ação contra zumbis e menos sobrevivência,por que não fazer um game com cooperativo para 4 jogadores estilo Left 4 Dead e colocar o Leon e a Claire só para fazer aquele fan service da amizade?

A equipe Delta do serviço de segurança da Umbrella vai até a famosa Raccoon City destruir tudo que liga a empresa com o incidente na cidade, isso após o seu time fracassar em recuperar o G-Virus do Dr Birkin. Seu objetivo é limpar o nome da empresa para que ninguém saiba que o T-Virus é de sua responsabilidade.

Sua equipe é composta por seis personagens: Vector, Beltway, Bertha, Spectre, Four Eyes e Lupo; cada um com uma habilidade especifica que no final só funciona e tem sentido no multiplayer competitivo. Vale lembrar que cada um tem uma pequena estória, mas é tão rasa e mal desenvolvida que você nem vai ligar para eles. Isso também vale para os diálogos, são sempre sobre o que está acontecendo e eles não conversam entre si. Que tipo de equipe não conversa? Por mais malvados que eles sejam não significa que não possam fazer piadinhas uns com os outros ou apenas conversar sobre o tempo.

Acabei escolhendo o Vector pelo visual e por ser mais simples. Olhando com mais detalhes eu percebi que ele é a classe espiã do jogo, com habilidades furtivas como ficar invisível e não ser notado no mapa. Isso em nenhum momento fez a diferença na campanha, qual é o ponto desses ‘poderes’ se eles só tem sentido no multiplayer competitivo?

E como a Slant Six Games conseguiu a proeza de fazer uma inteligência artificial tão inutil quanto a Sheva de Resident Evil 5? Como o jogo é puramente multiplayer, para ele ‘funcionar’ é preciso de mais três amigos/fulanos e quando isso não acontecer (maioria das vezes) você tem que lidar com três bebes. Você tem que cuidar para que eles não sejam infectados pelos zumbis, não morram pelos policiais e ‘sipá’ curar-los quando tiver aquele spray milagroso. Isso sem contar as vezes em que eles ficam em frente da porta impendido a passagem. 2012 e ninguém acerta essa merda.

É difícil. É aquela dificuldade de um jogo quebrado, nada desafiador, ele te joga em um sala com milhares de zumbis e alguns policiais que tem life infinito para ver se você consegue sair vivo. Até que no começo é divertido, mas a repetição e falta de criatividade o torna em um shooter genérico. Os inimigos em geral parecem ter um life digno de um chefão de Final Fantasy. Várias vezes tive que descarregar o meu pente sem necessidade, minha alegria foi quando comprei uma Machine Gun com 420 balas. Pura festa.

Os chefes de ORC são uma derrota. Mesmo o Resident Evil 4 e até o RE 5 tem chefes bacanas e momentos tensos, nesse não tem nada. Muito menos com o querido Nemesis, é uma frustração só. O pior de tudo é o tal encontro com o Leon, usado como marketing ‘Ow, cê vai poder matar o Leon, compra o meu joguinho’, é talvez a pior coisa que a Slant Six fez na vida dela. Quando passei eu fiquei com aquela cara, ‘sério que tiveram a cara de pau de fazer isso? Ainda bem que eu aluguei, teria entrado em depressão se tivesse comprado’.

Eu gosto de Left 4 Dead mas a campanha dele não faz muito sentido jogando sozinho. Mas tem os seu charme, algo que ORC não tem e nem tenta alcançar. O jogo todo parece ser feito para o online, assim que você começa a campanha ele te coloca em um sala de matchmaking e as pessoas podem entrar no seu jogo a qualquer hora. O modo online de verdade é apenas um team deathmatch, Heróis (com HUNK, Leon,Claire e cia) contra a USS. Nada demais e é até divertido.

Não sou um fã xiita de Resident Evil e se eu fosse ficaria extremamente ofendido com Operation Raccoon City. Faça um favor a si mesmo e não compre, pode pensar até em alugar. É um risco, não diga que eu não avisei.